• A mulher que morreu da linguagem

Hoje eu que vou acender as estrelas. Não adianta chorar, eu tomei banho de sidra e fumei o hálito da solidão. Por isso, quase rouca, deixo o bilhete.

Anuncie no jornal: Pra hoje, espere um céu de estrelas bêbadas e um vento de cigarro. Você vai achar horrível, o céu não foi feito para se embebedar. As estrelas vão se tombar e, invejosas entre si: nenhuma delas vai conseguir desfilar sozinha pelo céu, fazendo o fenômeno de cadente. O vento vai rir delas, drogado, sem saber que deveria chorar. Mas isso é pra mais tarde, quando a manhã vier ele lembrará. A lua – a única imersa daquela festa, vai olhar pro sol apagado do outro lado e vai dizer: fizemos péssimos filhos!

Na festa só toca um cd, e este é o seu favorito.

Então você humanamente burro, mal imagina o caos do céu e olhando-o, comenta: Que lindo!

Código: L999-9789897740107
Código de barras: 9789897740107
Peso (kg): 0,100
Altura (cm): 22,00
Largura (cm): 14,00
Espessura (cm): 1,00
Autor Jéssica Paola
Editora Chiado Editora
Idioma PORTUGUES
Encadernação BROCHURA
Páginas 90
Ano de edição 2018

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.

A mulher que morreu da linguagem