• Casas Geraes

No primeiro livro de R. F. Franco, Nossas pálpebras, o poeta deslinda o que se pode chamar de pedagogia do olhar, coando, de imagens fotográficas, as palavras entranhadas nos cantos emudecidos do mundo. Em seu novo livro, Casas geraes, R. F. Franco olha em derredor e sente que é hora de voltar. De voltar-se. A voz do poeta agora reverbera em si.
Não sai a pé pelas ruas, não entra num automóvel, não toma o trem que já não há. A estação do passado é ruína. O poeta de nossas pálpebras, no entanto, sabe fechar os olhos para descortinar a memória, essa construtora pertinaz que escolhe os tijolos mais bem cozidos para as paredes de uma casa que não existe mais.
Casas geraes é um livro que se quer teto, estendendo-se até quebrar a linha da individualidade, horizonte cindido numa cidade que se funda no alicerce da palavra lembrança, com seus bairros a perder de vista, sítios e fazendas de pastos sem fim, as cercas farpadas de sentimentos, demarcando os campos de uma recordação transbordada em outros quintais outras águas outros chãos.
Ao percorrer os cômodos e arredores dessas tantas casas, o leitor entra em sua própria residência, subitamente desconhecida. A avó, o pai, Lurdinha, Tiãozinho, Zica, uma procissão de estranhos de repente sendo a família de quem passeia pelas páginas do livro. O susto inusitado da poesia?
Há na obra, ainda, um desejo de se recuperar a casa para além da memória. A arte seria o instrumento desse resgate. O poeta, entretanto, sabe demarcar os limites da empreitada. A poesia que soergue a casa também a esconde sob o peso dos versos. Nesse sentido, os espelhos que se dependuram pelas estrofes são passagens e reflexão questionadora do tempo e das obras, sejam elas barro ou palavras.
A métrica da casa, portanto, estabelecida pelos tijolos aprumados em sua argamassa, na verdade reconstrói suas paredes de sonho e sombras na alma do poeta. Grande poesia rimada de contínuas impossibilidades. Na casa da infância, o menino se perde no espelho. A construção se desmorona em rugas de um estranho tão próximo. Estranho que é também o leitor, conviva e anfitrião, ao mesmo tempo, de um livro delicado e belo. Não há que se resistir a tal convite. Entre, amigo leitor. A casa é nossa.
 
Antonio Geraldo Figueiredo Ferreira

Código: L999-9788573215083
Código de barras: 9788573215083
Peso (kg): 0,050
Altura (cm): 19,00
Largura (cm): 14,00
Espessura (cm): 3,00
Autor Rendrik F. Franco
Editora Iluminuras
Idioma PORTUGUES
Encadernação BROCHURA
Páginas 80
Ano de edição 2021

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.

Casas Geraes