• Histórias de literatura e cegueira

HISTÓRIAS DE LITERATURA E CEGUEIRA é um híbrido entre ensaio e ficção. A partir da vida e obra dos escritores Jorge Luis Borges, João Cabral de Melo Neto e James Joyce, Julián Fuks constrói pequenas histórias fragmentadas de momentos da trajetória de cada um desses autores, que possuem em comum a cegueira precoce ou tardia. Cenas da criação de poemas, contos, ensaios, romances são abordados de forma original, como uma ficção sobre outra ficção. “Acho que o que essas histórias transmitem é que sempre se produz uma relação muito pessoal e particular com a cegueira. Há os que conseguem fazer dela quase que um atributo, uma condição que lhes concede uma singularidade (e por isso até apreciável, em se tratando de um mundo tão homogêneo), e os que se deixam abater pelas impossibilidades que ela provoca e nunca superam essa frustração.”, diz o autor. Borges, míope desde a infância e tendo acompanhado o enceguecimento do próprio pai, conhecia bem o mal que o destino lhe reservava e, ao longo dos anos, apenas foi se conformando com isso. Estava preparado, então, e quem sabe até satisfeito com a demora, quando aos 56 anos finalmente ficou cego. Já tinha armado a infra-estrutura de que necessitava. A mãe, a irmã, os amigos que o cercavam não se incomodariam em ler para ele tudo o que desejasse, e menos ainda em pôr no papel o que se desprendesse dos lábios dele, os versos que ditasse. Em pouco tempo, aquilo se converteria em ritual e já quase não o incomodaria, persistindo assim nos trinta anos seguintes. Para João Cabral, a história foi muito diferente. A cegueira o pegou de surpresa e obscureceu os últimos sete anos de sua vida, que ele acabou vivendo tristemente trancafiado num apartamento da praia do Flamengo. Já quase não escreveu mais nenhum verso e tinha tremenda dificuldade em se concentrar na audição, de modo que tudo o que liam para ele acabava acarretando um sofrimento, pela incompreensão de que se via vítima. A cegueira representou, portanto, o fim de sua vida devotada à literatura. Joyce, por fim, teve uma cegueira peculiar, marcada por surtos de dor aguda e por operações sucessivas praticamente inúteis. Por algumas superstições que carregava desde menino, ele sempre a compreendeu como um castigo dos deuses, que o estariam punindo pelos pecados passados (lembrando que sua formação havia sido dentro de um catolicismo rígido) e pela vida desregrada e tumultuosa que levava. Dessa forma, ele sempre amaldiçoou a cegueira e nunca se rendeu a ela, lutando para ignorá-la mesmo nos momentos mais críticos e seguir trabalhando, ditar da maneira que podia, revisar o que alguém lhe lesse. É claro que nisso se reflete também a obsessão com que ele se dedicava à escrita.

Código: L031-9788501079435
Código de barras: 9788501079435
Peso (kg): 0,240
Altura (cm): 21,00
Largura (cm): 14,00
Espessura (cm): 1,20
Autor Julian Fukis
Editora Record
Idioma PORTUGUES
Encadernação BROCHURA
Páginas 160
Ano de edição 2007

Escreva um comentário

Você deve acessar ou cadastrar-se para comentar.

Histórias de literatura e cegueira

  • BROCHURA

  • Julian Fukis

  • Record

  • Vendido e entregue por Leitura - PB/JP - Manaíra Shopping
  • Estoque: 1

  • R$52,90


Opções de Compra

R$52,90

Vendido e entregue por Leitura - MG/Contagem - Itaú Power Shopping