• Quem quer (pode) ser negro no Brasil?

Ao longo da primeira década deste século, a UFMG incentivou políticas de ações afirmativas para minimizar as desigualdades no acesso da população negra ao ensino superior. Em 2009, implementou a política de bônus, além de exigir uma autodeclaração racial. Porém, a partir de 2017, emergiram denúncias de fraudes, evidenciando uma incompatibilidade entre o modo como os candidatos se veem (autodeclaração) e o modo como os demais estudantes, de modo particular os negros, os enxergam (heteroidentificação).Como resultado desse movimento, a UFMG criou mecanismos complementares: os procedimentos de heteroidentificação racial; fundamentais no debate sobre as identidades raciais do brasileiro e do Brasil. Em um país onde se declarar, ou ser identificado como negro sempre foi visto como algo negativo, tal prática introduz duas perguntas inéditas: “Quem quer se declarar negro (preto ou pardo) no Brasil?” e “Quem pode se declarar negro (preto ou pardo) no Brasil?”

Código: L055-9786559280384
Código de barras: 9786559280384
Peso (kg): 0,188
Altura (cm): 21,00
Largura (cm): 14,00
Espessura (cm): 0,60
Autor Rodrigo Ednilson de Jesus
Editora Autêntica
Idioma PORTUGUES
Encadernação BROCHURA
Páginas 144
Ano de edição 2021

Quem quer (pode) ser negro no Brasil?

  • R$44,90